Antes que tudo se perca

Por: José Gomes Neto

Nada como uma partida antes da outra. Parece que o Náutico sofreu a síndrome da antecipação e falta de humildade. O time alvirrubro foi “passear” em Santa Cruz do Capibaribe e esqueceu de levar na bagagem concentração, seriedade e espírito competitivo. Todo jogo é importante, vale três pontos e merece o devido respeito. Espero que a lição tenha sido bem assimilada por todos. A partir de agora caberá ao técnico Roberto Fernandes exigir que os jogadores retomem o foco no hexagonal, e não apenas em um dos seis concorrentes que dele fazem parte. Se antes era imperativo vencer ao Sport, a obrigação simplesmente duplicou.

A inesperada derrota para o Ypiranga acende o sinal alerta para o grupo de jogadores alvirrubros, e também para a comissão técnica. Não adianta menosprezar nenhum adversário, pois todos eles têm o mesmo objetivo em comum: ganhar. Em especial, a Máquina de Costura. A equipe lidera o segundo turno, ao lado do Sport, e briga, no mínimo, para terminar como o melhor time do interior. Aliás, como terceiro colocado no geral, pois o Santa Cruz (ex-time grande) caminha a passos largos para a Série A2 do Pernambucano.

Voltando à superfície, parece que caiu a máscara da ilusão nos Aflitos. Um time que vinha de oito vitórias seguidas na competição voltou a perder justo num momento em que se pressupunha maior responsabilidade e conforto na tabela. O Náutico chegou à liderança do hexagonal, pela primeira vez neste Estadual, na rodada de estréia. Mas deixou escapar por entre os pés num momento de afirmação. A missão agora ficou mais complicada. O que era para acontecer no Otávio Limeira TERÁ que ocorrer no Caldeirão Alvirrubro.

Sob o risco de colocar por água abaixo toda aquela argumentação de que o Timba não ficou com o primeiro turno porque não havia enfrentado o Leão, o Clássico dos Clássicos passou a ser o jogo da rodada anterior. Explico: como não trataram o Ypiranga com o devido respeito, e lógica, pois perderam três preciosos pontos, a equipe terá que fazer valer todo aquele futebol vibrante, competitivo e vencedor em cima do finalista neste domingo (16), no Eládio de Barros Carvalho.

Por favor, não vão focar a partida de quarta-feira, contra o Juventus/SP, pela segunda fase da Copa do Brasil 2008, ta?!

Que os desfalques se façam valorizar no importante jogo diante do arqui-rival, pois eles abriram três pontos e cinco gols de saldo – vamos ficar antenados aos critérios de desempate. O susto serviu para acordar a todos, pois o próprio Náutico, que fora vítima de menosprezo durante o Brasileirão 2007, mas respondeu à altura, dentro das quatro linhas, assim como o fez a Máquina de Costura!

Futebol se decide em campo. Mesmo assim, não há motivo para desespero. Restam oito rodadas e muita coisa está por acontecer. Porém, quem está na desvantagem, ou seja, na obrigação de ter que vencer a segunda fatia para provocar dois jogos finais é justamente o Náutico. E a melhor resposta a este acidente de percurso deve ser dada em campo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


1 − = 0

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>