E como o mundo dá voltas

Por: José Gomes Neto

Acosta, Recife, Acosta! Que já é hora de o Náutico sair da degola! Pois é, o Náutico enfim encontrou o caminho para sair em definitivo da zona de rebaixamento do Brasileirão 2007. Apesar de ainda estar na 18ª posição, o Timbu soma 27 pontos, tem agora sete vitórias e até melhorou o saldo de gols, que continua ruim: -10.

Porém, essas duas vitórias seguidas, sendo a primeira fora de casa – a quarta longe dos Aflitos -, dão o respaldo necessário para que a equipe atinja a inédita marca de nove pontos conquistados em seqüência. Se antes o problema era vencer o Paraná no Durival de Brito, e depois o “todo-poderoso” Botafogo, no Eládio de Barros Carvalho, agora a realidade é outra.

Não dá para se deixar levar pelos resultados, mas já não estamos no começo da competição. Os times se encontram melhor entrosados e chegou a hora da verdade para cada equipe, independente das circunstâncias. O fato de encarar o Goiás no Serra Dourada deve ser entendido pelo Náutico como mais um importante adversário a ser batido.

Até porque o Náutico já se acostumou a ganhar fora do Caldeirão Alvirrubro. Isso não é novidade para ninguém – pelo menos para quem está acompanhando a campanha timbu no campeonato brasileiro. As equipes pernambucana e goiana têm a mesma quantidade de derrotas: 12. A diferença pró Goiás são as três vitórias a mais do que o Náutico.

Mas como está na 10ª posição e precisa voltar a ganhar para ficar com uma vaga na sul-americana, então o Goiás terá que ceder espaços ao Náutico, que poderá voltar a apresentar o esquema 3-6-1, ou mesmo o implacável 4-4-2, no decorrer da partida. Cabe ao técnico Roberto Fernandes definir pelo melhor para o Náutico.

Por falar em adrenalina, o Caldeirão Alvirrubro voltou a ferver ao velho estilo do Timba. Veja bem: não é a quantidade de torcedores presentes ao estádio, mas a qualidade que faz a diferença! Vai ver estava faltando um “foguinho” para que a fervura chegasse ao ponto ideal. Ao molho de Acosta e companhia.

O uruguaio fez acontecer diante dos cariocas e calou a boca dos seus críticos com uma categoria de fazer inveja a muito candidato a craque da Série A. Aliás, a própria rodada estava escrita (e conspirando) a seu favor. Não foi à toa que a 25ª rodada estava estampada na sua camisa.

Depois, os quatro gols assinalados foram um feito inédito na competição, além da vitória em cima de um clube carioca (que até aqui contavam com a contribuição de animadores de festa), Acosta tem agora 12 gols e é o artilheiro isolado do Timba, um dos principais do Brasileirão.

Não dá para esconder um fato: o Náutico está em franca ascensão, ao contrário do rival decadente, tão elogiado pela maioria esmagadora dos cronistas esportivos que apostaram até na ida do time da Ilha do Retiro para a Taça Libertadores da América, em 2008. É engraçado… Para quem não vence nem o rebaixado América, nem lá nem cá! Deixa pra lá…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


4 − 4 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>