Náutico foi pior do que o gramado da Curuzu

Por: José Gomes Neto

A derrota para o Paysandu por 1 a 0 no jogo de ida da segunda fase da Copa do Brasil 2007 fez com que o Náutico decida a vaga para as oitavas-de-final nos Aflitos. A perda da invencibilidade nesta competição nacional me deixa com uma certeza desagradável: o time, agora comandado por Paulo César Gusmão, continua instável, inseguro e cheio de altos e baixos.

O fato de ter que atuar num gramado (se é que aquilo pode ser considerado como gramado para a prática de futebol profissional, e em competição nacional) precário e sem condições não serve como desculpa para mais um revés do Náutico na temporada, fora de casa. Se o gramado da Curuzu estava ruim, o Náutico conseguiu ser pior!

Não justifica o péssimo futebol que o Timbu NÃO apresentou diante do Papão de Belém. Se não fosse pela boa atuação do goleiro Gléguer, o placar seria maior. Fora ele, o resto ficou aquela areia despejada pelo capim escasso da Curuzu. Até a dupla de zaga andou batendo cabeça e dando chance para os atacantes (?) do bicolor paraense. Aliás, como é mesmo o nome do goleiro do Paysandu?

Sobre os laterais, bem eu desisto! Sidny está irreconhecível, Deleu chegou agora, mas Escalona continua a jogar (?) com o nome e a fama de chileno… E daí! Edinho está se recuperando da desistência de ir para o Goiás – por sinal, eliminado no Serra Dourada para o Bahia de terceira -, e Ivan já deveria ter ido nessa. Temos que contratar dois laterais, urgente!!!

Na proteção de zaga, a carência é total. Desde a saída de Tozo ainda não foi suprida e Walker vai precisar andar muito para saber sair jogando com qualidade e se antecipar nas jogadas aéreas. Vágner Rosa não sabe jogar ao lado que quem não tem experiência e fica perdido em campo. Com Elicarlos improvisado, o resultado só pode ser de derrota. Lamentável!

Bom, na meia de ligação, cadê o futebol diferenciado de Cristian, heim! Minha paciência já chegou ao limite. Marcel precisa ficar mais calmo, criar mais em prol da equipe e reclamar menos. Levar cartão amarelo de graça sai muito caro para o time, no decorrer da competição. Se liga Marcel! Acosta só pega batata quente, no decorrer das partidas, e não entra de frente no time. Já está na hora de Acosta ter essa chance e o clássico de domingo é o momento.

O fato é que Felipe fez aquela falta. Inexperiente, o atacante Jhon não soube o que fazer em campo, enquanto Kuki também seguia os mesmos passos. Pelo menos quando estava em pé e não caía. Paciência…

Agora, Copa do Brasil somente no dia 4 de abril. Até lá, o Náutico volta às atenções ao melado e repleto de gols legítimos anulados Campeonato Pernambucano da Série A1 2007. O Clássico das Emoções do domingo (25) é para interromper o tabu e, enfim, vencer o combalido Santa Cruz, em casa. Pelo menos é nos Aflitos!

Depois, o Timba seguirá para Belo Jardim, onde vai encarar o time quase rebaixado daquela cidade. E, no domingo 1º de abril, enfrentará o arqui-rival Sport, na Ilha do Retiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


− 6 = 3

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>