Quanto mais difícil, melhor

Por: José Gomes Neto

A sensação não poderia ser diferente. Lamento e decepção foram os meus sentimentos após mais um derrota do Náutico neste segundo turno. O pior é, a esta altura da competição, não mais depender do próprio futebol para conquistar o hexagonal e levar a decisão do “Albertão 2008” (Campeonato Pernambucano) em duas finais contra o Sport. Mas o sonho não acabou e nem mesmo o Estadual. Vamos aguardar o desenrolar dos jogos e, quem sabe, poder reverter o até então “irreversível” rumo que vem sendo traçado até aqui.

O Náutico não conseguiu sequer empatar a partida que se estendeu de 26 de março, em Salgueiro, até esta quarta-feira (9), em Caruaru. O resultado foi o mesmo do primeiro tempo alagado, quando o Carcará venceu o Timbu por 1 a 0. A lógica mandava que o árbitro Antônio André nem começasse o segundo tempo, porque não havia a mínima condição de jogo.

Mas isso é esperar muito de um quadro de arbitragem fraco, subserviente, incapaz de tomar uma atitude, de ter uma iniciativa própria e condizente com a realidade dos fatos. Quando existe autonomia da arbitragem, personalidade e seriedade numa competição, aí a postura é outra.

Porém, não adianta ficar lamentando o fato de o time alvirrubro não conseguir reagir. Até porque ninguém vai lembrar que a expulsão de Paulo Almeida ocorreu devido ao fato de ele ter que tomar a bola das mãos de um jogador do Salgueiro, que estava retardando a partida. Fazendo anti-jogo, se preferir… Nem cartão amarelo o tal indivíduo levou!

A falta de critério nesta competição local passou do limite do ridículo e da credibilidade do torcedor. Enquanto as críticas são brandas, quase inexistentes contra o vitalício presidente da Federação Pernambucana de Futebol – e de seus fiéis asseclas (todos com a nota) – equipes se enfrentam por seis vezes, horários, dias e locais dos jogos são alterados conforme a necessidade da televisão, e conveniência de quem é o líder da competição (pasmem!).

Agora me responda, se puder leitor: qual a competição profissional no mundo na qual um time joga contra o outro SEIS vezes? Só aqui na província. Como forma de premiação, vamos ter a mesma fórmula de disputa no ano que vem. Que maravilha!!!!

Copa do Brasil – Mais uma vez, tem um Atlético no meio do caminho. Na estréia desta competição nacional, o Náutico massacrou o Atlético Roraima por 7 a 1, em Manaus. Desta vez será o Galo Mineiro, agora pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil 2008. O primeiro jogo será realizado no Caldeirão Alvirrubro, e o da volta, no Mineirão.

Ao contrário do que eu tinha dito aqui neste espaço, o critério para definir a ordem das partidas não observa o ranking da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), mas é feito por meio de sorteio, na própria sede da entidade máxima do futebol nacional, que fica no Rio de Janeiro. Peço desculpas ao leitor pela falha. Apesar de não ser árbitro, sou colunista, mas também humano!

Porém, o principal é que o Timbu faça valer o seu melhor futebol, com muita raça, aplicação e sede de gols, e construa o resultado positivo durante os 90 minutos disputados aqui no Recife. Rumo às quartas-de-final da Copa do Brasil!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


9 − 4 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>