Que venha o Corinthians

Por: José Gomes Neto

A esmagadora vitória do Náutico em cima do Paysandu serve como alento para a torcida alvirrubra. Depois do fiasco no Estadual, onde o Timbu briga apenas para ficar com a segunda colocação, e assim garantir vaga na Copa do Brasil do próximo ano, o time comandado por PC Gusmão precisava dar uma resposta imediata, dentro das quatro linhas.

O sonoro placar de 5 a 0 devolvido com juros e correção futebolística ao Papão da Curuzu, classificou o Náutico para as oitavas-de-final da Copa do Brasil. Um adeus ao time paraense, que sentiu muita falta da lama e da areia, elementos comuns no seu terreiro, que eles consideram como um gramado para a prática de futebol profissional.

Com o convincente resultado, o Alvirrubro está entre os 16 melhores clubes do País e agora vai encarar o Timão. Por sinal, esse time paulista está mais para timinho do que a sua alcunha mais conhecida (que na verdade se refere ao instrumento condutor de embarcação, e não à designação de uma grande equipe).

De acordo com o regulamento desta competição nacional, a partir desta fase (oitavas-de-final), a ordem do mando de campo é definida por meio de sorteio, realizado na sede da CBF. Esta definição será conhecida na tarde desta segunda-feira (9), no Rio de Janeiro. Torço, com muita fé, para que o primeiro seja no Recife.

Por falar em placar elástico, não poderia ser melhor a inauguração do simpático eletrônico do Eládio de Barros Carvalho. No dia anterior (terça-feira, 3), a diretoria do clube apresentou aos torcedores, sócios e convidados o novo centro administrativo. É fundamental que todos caminhem juntos, pois está mais do que comprovado a seguinte tese: um Náutico forte é um Náutico coeso.

Em relação ao jogo, gostei do comportamento objetivo do time. Mas é preciso ao Náutico uma regularidade. Ouvi de muitos torcedores, lá no estádio, de que a equipe está muito caseira. Tipo aquela coisa: “Quando o jogo é nos Aflitos, aí o Náutico atropela. Mas quando é fora…”. O único que pode desdizer isso é próprio time do Náutico, na prática.

Então, seria necessário que o treinador aprimorasse mais a equipe buscando essa característica. A segurança dos atletas e dos torcedores estará atrelada a um futebol competitivo e regular do Náutico. O espírito competitivo é determinante para um time, em quaisquer competições que se esteja em disputa. Não importa quais as condições financeiras.

Chegou a hora de o time mostrar que está disposto a reverter o negativismo e começar a engrenar rumo às quartas-de-final da Copa do Brasil. Se pensarmos de maneira pragmática, o Náutico está a quatro jogos de uma final inédita na sua história. Lembre-se: o que hoje é considerado um sonho, amanhã pode ser uma realidade bastante prazerosa!

Porém, antes, será preciso o Náutico ratificar a condição de vice-campeão pernambucano com uma vitória em cima do Central, neste domingo de Páscoa (8), nos Aflitos. Bom, se depender do retrospecto de partidas em casa, então já será um bom sinal! A responsabilidade tem que ser a mesma com a qual se jogou diante do Paysandu, apesar das competições serem completamente diferentes, o futebol deve ser igual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


7 + 1 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>