Um brinde com vinho… do Porto

Por: José Gomes Neto

Desta vez, a conquista teve sabor especial. A vitória do Náutico diante do Porto, no Antônio Inácio – a segunda consecutiva no Pernambucano da Série A1 2008 -, dá uma certa tranqüilidade ao grupo de jogadores e à comissão técnica alvirrubros. Uma relativa evolução do time já se pôde constatar, uma vez que a pressão exercida pelo adversário não surtiu efeito prático, pois o Timbu se impôs e garantiu importantes três pontos fora do Recife.

O comportamento da equipe até que surpreendeu, em termos de opções ofensivas, e também de avanços pelas laterais. De fato, o que mais destoou foi o fator proteção de zaga. Como os volantes de contenção ainda não estão aptos, falo especificamente de Ticão e Radamés naquele setor, então houve bastante vulnerabilidade para o sistema defensivo.

Porém, os meias de ligação e atacantes já estão mostrando que vão dar o que falar durante a competição. As participações de Felipe (dispensa comentários) e Warley, que ao lado do meia Geraldo estão dando alma ao setor, são bastante destacáveis.

De novo, dos pés de Warley foram construídas as jogadas que originaram nos gols do Náutico. Inteligente e habilidoso, Warley começa a ganhar ritmo de jogo e a conhecer os colegas de grupo, em termos de entrosamento nas quatro linhas.

Corrigidas algumas falhas ainda presentes (e persistentes), como precipitação nos rebotes, perdas infantis de posse de bola, após as recuperações, e o time deve engrenar antes mesmo do final deste turno. É bom frisar que, além do adversário qualificado, o Náutico enfrentou e venceu também o famigerado estado do gramado (que aparentemente é regular, ao menos na imagem da TV), e o horário inadequado.

Atuar às 15h em pleno verão do Agreste pernambucano é não querer saber de nível técnico, e nem tão pouco de bom rendimento dos jogadores numa partida oficial de futebol profissional. Não me interessa justificar com o argumento de que “faz parte da grade de televisão”, pois o assunto é futebol!

Avaliação de clima e estado do gramado não deveriam ser pauta de futebol profissional, mas esse é o campeonato que a gente tem e “vamos nos conformar com isso”. Por sinal, os gramados estão uma calamidade só. Mas vão melhorar assim que terminar o estadual (tá, e daí?).

Pois bem, em relação ao Náutico, a grande meta do treinador Roberto Fernandes é a de manter os jogadores no foco. O confronto da volta diante do Gavião do Agreste, nesta quarta-feira (23), à noite, no Caldeirão Alvirrubro, deve ser encarado com muito mais responsabilidade do que o último. Até porque, o jogo mais importante é sempre o próximo. Depois, ao contrário de prognósticos sem critérios, o Náutico já estava alijado da disputa pelo título do primeiro turno.

Tais vendo tu! Vais acreditar em tudo que ouve, lê ou assiste…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


− 8 = 1

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>