Gilmar e Roberto Fernandes “fugiram” da Série C em cenário semelhante


Gilmar e Roberto Fernandes “fugiram” da Série C em cenário semelhante
Eles estiveram juntos no ABC, em 2013, que encerrou primeiro turno da Série B com mesmos 14 pontos dos alvirrubros e na última posição da Segundona, assim como o Náutico, nesta edição

Ao fim do primeiro turno, apenas 14 pontos em 57 disputados. Os minúsculos 24,6 % de aproveitamento deram de “presente” a lanterna da Série B. O cenário é o do Náutico, em 2017, correto? Pode ser. O ABC, em 2013, encerrou a metade inicial da competição da mesma maneira que o Timbu, nesta temporada. No final, escapou da Série C, contrariando prognósticos. A curiosidade em questão: o técnico era Roberto Fernandes e um dos titulares, Gilmar. Os dois veem o filme se repetir no Alvirrubro. E o final feliz é aguardado ao fim das disputas.

Roberto Fernandes chegou na CRB durante a competição para “apagar incêndio” – como por aqui. A equipe estava na lanterna, com sete pontos. Se serve para aumentar as coincidências, o antecessor por lá foi Waldemar Lemos, que também esteve pelo Náutico, nesta Série B – antes de Beto Campos.

O panorama é quase o mesmo. No ABC, a única diferença era a distância para o 16º colocado: seis pontos. A do Náutico é de nove. Para alcançar os 45 pontos – a média de salvação desde que a Série B passou a ser disputada por pontos corridos -, o Timbu tem que marcar 31 em 57 disputados. Ganhar dez partidas e empatar uma, atingindo um aproveitamento de 54,3%. É quase o mesmo índice do Ceará, quarto colocado (54,4%).

Feito do ABC já foi relembrado no Náutico

Assim como no Náutico, Gilmar chegou durante a Série B, em Natal. Só que, em 2013, disputou menos partidas pelo ABC, porque ficou apto durante o segundo turno – antes, defendia o Oeste, de São Paulo. O atacante revelou que a campanha do Alvinegro foi relembrada duas vezes, em reuniões no hotel do centro de treinamento do Timbu.

- Ali foi diferente e uma reação daquela tem de ser lembrada. Por estar lá, relembrei em uma reunião que nós tivemos, só os jogadores. Uma reunião de cobrança, de lembrar o que já tínhamos feito de bom na carreira e eu lembrei daquela arrancada do ABC. Quando Roberto Fernandes chegou, curiosamente, ele lembrou aquele mesmo ano na primeira conversa com os jogadores. É uma coisa que ainda está muito viva e que é curiosa porque terminamos o turno com a mesma quantidade de pontos – disse, em entrevista ao GloboEsporte.com.

Em nove jogos disputados nesta Série B, Gilmar marcou dois gols – um deles contra o ABC, na vitória por 1 a 0, no estádio Frasqueirão.

O fator Roberto Fernandes

“Não que ele seja um treinador só para isso, mas é acostumado com esse tipo de situação”. A frase de Gilmar sobre Roberto Fernandes não explica só um dos fatores para a reação do ABC, em 2013, como retrata um dos principais motivos para o Náutico ter procurado o treinador. É a quarta passagem do comandante pelo Timbu. Além do perfil motivador, Roberto salvou o time do rebaixamento em outras três vezes – em 2007 e 2008, da Série B, e em 2010, da Série C.

- Roberto tem um perfil importante, mas ele conseguiu mais do que só motivar. O grupo abraçou a causa, abraçou a ideia. Quando isso aconteceu, tudo foi se encaixando. Conseguimos a dedicação total do grupo, e Roberto passou tudo o que queria. Eu o conheço, sei como trabalha e isso é bom nesse momento – disse Gilmar.

Em 2013, Roberto Fernandes assumiu o ABC na 14ª rodada. Um empate sem gols no clássico contra o América-RN. Ao final do campeonato, sob o comando dele, registrou 12 vitórias, três empates e 10 derrotas; a permanência na Série B foi assegurada na penúltima rodada, na vitória sobre o Avaí, por 1 a 0, no Frasqueirão. Teve mais tempo para trabalhar do que no Náutico, neste ano – a estreia dele foi na vitória por 1 a 0, sobre o Luverdense, na 19ª apresentação da equpe na Segundona.

Gilmar lembrou da torcida do ABC. Segundo ele, os abecedistas se faziam presentes nos confrontos realizados no Frasqueirão. E, para que as coinciências cheguem a um nível de realidade, deseja a presença em massa dos alvirrubros na Arena de Pernambuco. Em 2013, os alvinegros tiveram a 10ª melhor média da Série B, com 4.117 pagantes. O Timbu, nos dias atuais, está na 14ª posição no quesito (3.062).

- A torcida do ABC compreendeu nosso momento depois que a gente passou a ganhar alguns jogos. Compraram a briga e se faziam muito presentes no Frasqueirão. Espero que a torcida do Náutico faça o mesmo, mas é bom a gente saber que somos o reflexo dentro de campo. Se a gente não jogar para cima, para conseguir o resultado, as coisas não vão andar.

Matéria: http://globoesporte.globo.com/pe/futebol/times/nautico/noticia/no-nautico-gilmar-e-roberto-fernandes-fugiram-da-serie-c-em-cenario-semelhante.ghtml
Por: Daniel Gomes/Globo Esporte Recife
Foto: Léo Lemos-Comunicação Náutico

10 respostas a Gilmar e Roberto Fernandes “fugiram” da Série C em cenário semelhante

  1. Bruno Marinho disse:

    O time tem que querer pra escapar.

  2. CADO I disse:

    - Já está mais do que claro que esse ataque com Erick e Gilmar não funciona. Não faz gol, não cria, não incomoda, não faz nada… Erick NÃO QUER e Gilmar NÃO CONSEGUE mais. E o placar dos nossos jogos é sempre 0×0, 0×1 ou 1×0…

    - Erick pensa que é Neymar. Fica rebolando o tempo todo, estraga a maioria das oportunidades de ataque e as faltas que aparecem. Não produz nada de útil…

    - Porque continuar insistindo com esse ataque inofensivo? Temos boas opções: Leílson, Iago, Gerônimo e, agora, Williams (não conto com Vinicius porque é ruim demais).

    - Vi Leilson jogar duas vezes pelo Guarany de Sobral e, das duas vezes, esse atacante me chamou a atenção: habilidoso, veloz, esforçado… O tipo do atacante que incomoda qualquer defesa. Se não me engano, foi o artilheiro do campeonato cearense. Aqui, ele só entra faltando 10 minutos e jogando longe da área. Logo vai ser dispensado, sem mostrar o que sabe jogar.

    - Eu mudaria radicalmente esse ataque que só funciona no papel. Deixaria no banco o que não quer e o que não pode mais, e entraria com Leílson, Williams (Gerônimo) e Iago.

  3. valdemir disse:

    Esse time não sabe nem fazer o B a Bá do futebol que é tocar a bola de primeira ! Aí eu pergunto: Não sairia mais barato ter ficado com aquele time do Milton Cruz ?

  4. Nildo Gomes disse:

    Parece que nem treinam passes, lançamentos, chutes a gol. O pior é que além de péssimos jogadores são burros.

    Jeferson (saidas ridículas)
    David (nada)
    Leilson (nada)
    Feliphe Gabriel(nada)
    Breno(nada)
    Aislan Marcou a bola no gol
    Manoel(nada)
    Amaral (tosco)
    Bruno Mota ((nada) só quer dar chapéu
    William Schuster (nada)
    Diego Miranda (nada)
    Iago tonto
    Erick (nada e só quer ser PELÉ)
    Gilmar (nada)

    Roberto Fernandes (Mágico)

  5. Dema disse:

    Roberto tá achando bom o resultado’ brincadeira viu parece que estamos no meio da tabela, tipo um empate está bom.
    Não temos ym time bom, mas o melhoroque temos não põe para jogar… Vai enteder.

    • Gustavo Alves disse:

      Com certeza, aí quando ganhamos 2 partidas o cara começa a inventar. É BRINCADEIRA!

      David
      Manoel
      Aislan

      É pedir pra perder, e ele conseguiu, PERDEMOS.

  6. wiltem disse:

    Me considero na serie c, se caso alguma zebra acontecer e continuarmos na B, tudo bem vida que segue…

  7. JOSE FIRMINO disse:

    APESAR DE AISLAN , DAVID E MANOEL TEMOS MAIS É QUE ACREDITAR .

  8. CADO I disse:

    É muito difícil ganhar do América em BH (eu não acredito). Mas, se esse milagre acontecer (e se não atrasarem os salários), fiquem certos de que não cairemos.

  9. Gustavo Alves disse:

    Gostei das escalações nos últimos 2 jogos, pois na ausência de Ávila, Diego Miranda seria a melhor opção mesmo, pois Manoel não tem condições, só trocaria o David é colocaria o Léo.
    Agora com essa mudança pro 3 5 2 eu não gostei, pois quem joga nesse estilo precisa de zagueiros que saibam sair jogando, coisa que Breno e Aislan não sabem, Aislan por sinal nem deveria jogar pois é muito fraco.
    Outra coisa é no 3 5 2 precisa de 2 laterias que apóiem e não iremos ter isso na direita pois David é muito fraco no apoio, por isso escalaria o Léo.
    Além de entrar com 2 volantes.

    Meu time seria:

    4 4 2

    * Jeferson
    * Léo (David muito verde, jogou mal contra o Vila Nova e contra a Luverdense foi nulo).
    * Breno
    * Felipe Gabriel
    * Diego Miranda
    * Amaral
    * Willian Shuster (entrou mal o jogo passado mas depois melhorou e jogou como um 2° volante, chegando no ataque coisa que não vinha acontecendo). Colocar Darlan ficaríamos com outro 1° volante, Jobson é muito fraco e Renan Paulino ainda não disse pra que veio.
    Já o Cal Rodrigues ainda precisa evoluir muito.
    * Bruno Mota
    * Erik (jogando no meio junto com o Bruno, pois ele tem qualidade pra criar as jogadas. Não ficar somente aberto na ponta, aparecer no meio tbm tanto para criar, como ajudar a fechar/marcar no meio de campo)
    * Gilmar
    * Leilson, pois Iago joga de cabeça baixa e não visualiza as melhores opções. Tbm não entraria com nenhum centroavante de área, tipo Vinícius, pois acabaria deixando o time mais lento, deixaria Gilmar flutuando nessa posição, hora aberto, hora aparecendo na área.

    Com o Ávila voltando, aí colocaria ele na esquerda e Diego Miranda no lugar do Willian Shuster.

    Nesse esquema que Roberto Fernandes quer colocar o 3 5 2, só seria viável caso o Léo Çarioca estivesse recuperado, pois Aislan é muito fraco, porém já que ele pretende entrar assim, então seria:

    Jeferson
    Aislan
    Breno
    Felipe Gabriel
    Léo
    Amaral
    Bruno Mota
    Erik
    Diego Miranda
    Gilmar
    Leilson

    Saudações Alvirrubras!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


+ 8 = 10

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>