Rodada nula

Por: Bosco Medeiros

Futebol é extremamente imprevisível! Eu nunca tinha visto uma rodada tão ‘embolada’ como essa, tudo deu certo para quem estava desacreditado em aproximar-se dos primeiros, isso graças aos cinco empates que tivemos, inclusive empates importantes para o Náutico como no jogo entre Paulista e Atlético/MG e Ituano e Marilia.
Deixando os adversários de lado, vamos falar da atuação de hoje por parte da equipe do Náutico.

Notoriamente o time estava nervoso hoje, errando passes fáceis e sem movimentação no ataque, a princípio a minha empolgação com o “melhor ataque” da competição tinha acabado nos lances iniciais. Não existia a mínima movimentação do ataque e Danilo, que devia ser cadastrar no programa Fome Zero, mais uma vez muito ‘fominha’ e lento. Ô meu filho assim fica difícil!

Lugar de zagueiro é defendendo o goleiro e não como Leandro atuou hoje, muito se viu ele marcando o atacante na intermediária adversária, deixando a zaga desnorteada, e em uma de suas saídas ele conseguiu fazer um passe incrível, que talvez nem gênios da bola como Ronaldinho Gaúcho conseguiriam, ele se antecipou ao atacante e de costa fez um passe que deixou o ataque adversário praticamente na cara de Luciano, resultado gol do Guarani. Era tudo o que não queríamos, jogando pouco, errando muito e perdendo fora de casa. Primeiro tempo ficou resumido a isso, o Náutico não se movimentava no ataque e o Guarani errando muito, final do primeiro tempo 1×0.

Começa o 2º tempo e logo em seu primeiro ataque, num lançamento de Danilo, que aí sim me lembrou muito o de Ronaldinho Gaúcho para Giuly contra o Milan, Netinho dominou a bola e tocou livre na saída do goleiro, era o empate do Náutico, talvez não merecido pelo o que o time jogou no 1º tempo, mas muito bem aceito.

A partir daí o jogo melhorou muito, o Guarani que não queria sequer pensar em empatar a partida pelo modo como é a competição e por seus resultados anteriores e o Náutico voltando a se defender esperando o erro do adversário e saindo nos contra-ataques.

O Guarani após o gol de empate passou a adiantar a marcação para sufocar nossa saída de bola e deu certo, aos 13 minutos, após uma cobrança de escanteio e uma falta no goleiro Luciano, que isso fique bem claro, FOI FALTA NO GOLEIRO SIM! Sandro empurrou tranqüilo para o gol, a partir daí sim era de se preocupar, o Náutico tendo que ir para frente com o ataque jogando mal, Sidni numa tarde infeliz pouco subiu com sucesso ao ataque e por duas ou três vezes eu vi Leandro cruzando a bola na ponta direita, o que Leandro fazia na ponta direita e onde estava Sidni nessa hora? São incoerências que não podem continuar – Não recordo sequer de um cruzamento de Edu Silva e Anselmo muito apagado, o time voltou a persistir num erro, Danilo continua prendendo muito a bola e pouco tem o apoio de Netinho, o time não consegue e não faz uma simples tabela ‘one-two’, o meio de campo tem que estar mais junto ao ataque, o time tem que se tornar mais compacto, está “tudo solto”, ninguém se encontra, a defesa fica tocando bola de um lado para o outro e quando arrisca o chutão a bola vai e volta. Netinho hoje foi infeliz em todas as bolas paradas, escanteio, falta, nada deu certo para ele a não ser o gol, é claro.

Bola vai, bola vem… Aos 40 minutos depois de o Náutico estar com as ações completas do jogo, num lançamento de Felipe para Betinho que girou bem na frente do zagueiro e por uma felicidade que o destino nos guardou, a bola resvalou em Sandro e caiu nos pés de Kuki de frente para o goleiro, quem conhece Kuki sabe o decorrer do lance, mas para quem não conhece eu faço questão de falar, num drible seco ele fintou o goleiro e o zagueiro que chegava para travar o lance e tocou de esquerda para o fundo da rede, gol, era o alívio merecido do time que melhorou a movimentação com a entrada de Betinho e Felipe.

Depois disso os jogadores do Guarani passaram a se atirar na área em busca de um pênalti, Edmilson que já tinha amarelo se atirou e é claro, pressão da torcida, jogando em casa, o Árbitro não expulsaria jamais por mais que merecida fosse a expulsão. Perto de acabar o jogo num contra ataque rápido, Kuki, numa velocidade incrível para uma pessoa da idade que ele tem e pelo tempo de jogo, entrou livre na área, puxou para canhota, que não é seu forte, e tocou para o meio da área (ô Kuki era pra ter batido em gol!), por milésimos de segundos Felipe não alcançou e foi esse o último perigo do jogo, final Guarani 2×2 Náutico.

Os pontos mais positivos da partida foram ver o nosso ‘gnomo artilheiro’ fazendo gol como é de seu feitio, trazer ponto fora de casa e ver também que a nossa divisão de base irá render bons frutos, Sandro hoje na minha opinião foi o melhor jogador do Náutico em campo. Olho nele!

Temos agora duas partidas em casa, a primeira contra o Vila Nova que está mal na competição e a segunda contra o Ceará que disputa vaga conosco, não a outro resultado a pensar que não seja duas vitórias. Coincidência do destino, ano passado também jogamos essas duas partidas em seguida nos Aflitos, uma delas foi sem dúvidas emocionante contra o Vila Nova com aquele Gol de Betinho no último minuto da partida e a outra contra o Ceará que marcou a saída do paredão Nilson.

Torcedor apóie o time, não existe clube vencedor sem uma torcida apaixonada, vamos ajudar o time a cada jogo incentivando sempre. Tudo o que seja em prol do Clube Náutico Capibaribe é valido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


5 − 3 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>