ENTREVISTA

Fé e trabalho: essas as ‘armas’ que o técnico Waldemar Lemos escolheu para superar o momento extremamente delicado que vem passando. No âmbito profissional, o treinador acabou de perder o emprego no Náutico, após a derrota em casa para o Serra Talhada. Fora das quatro linhas, o grave problema de saúde de sua irmã, que luta contra um câncer, atormenta o treinador, que, mesmo morando no Recife, não mede esforços para ficar próximo da família, que reside no Rio de Janeiro.

Porém, nem mesmo a série de problemas consegue alterar a forma de agir do ex-comandante alvirrubro, que tenta fazer do trabalho incessante um aliado para vencer suas dificuldades. Sempre cordial, Waldemar Lemos recebeu a equipe do GLOBOESPORTE.COM/PE, na última sexta-feira, e falou sobre a fase do Náutico no Pernambucano, a confiança em seus jogadores, o drama familiar e ainda revelou a importância do clube em sua vida – tudo isso antes de ser demitido. Confira:

Waldemar, no começo da temporada, o Náutico foi apontado como um dos favoritos para conquistar o Campeonato Pernambucano. Porém, o clube está vivendo uma sequência bastante negativa. Na sua opinião, o que levou seu time a ter essa queda de rendimento?

- Olha, nada é fruto de uma situação única. Nós perdemos jogadores importantes por motivos de lesões e também alguns cartões. Quando você troca 10% de uma equipe é algo razoável, mas quando temos que mudar 50%, situação que ocorreu varias vezes com nosso time, aí complica muito. Sabemos que o futebol existem essas situações e que temos que superá-las, mas não podemos fechar os olhos para isso.

Você perdeu peças importantes e seu elenco é muito enxuto, o que fazer para superar essa fase, já que não existe a possibilidade para contratar ninguém?

- Eu confio muito no meu grupo e confio no trabalho que estamos realizando aqui. Todos os dias nós trabalhamos pra caramba e não medimos esforços para fazer o Náutico melhor. Tenho total certeza que sairemos dessa fase, pois batalhamos para isso.

Alguns dirigentes falaram que o Náutico deveria ter se reforçado mais quando ainda era tempo. Mas disseram que você não queria novas contratações. Se você perdeu peças importantes, porque não buscar novos nomes?

- Olha, não acho correto você contratar para falar que contratou. Acho que é importante buscar atletas que venham nos ajudar de alguma forma. Situações em que o grupo saia qualificado e que, os jogadores que venham, tenham o espírito do Náutico.

Nos últimos dias saíram varias notícias afirmando que seu cargo estava em risco e, até mesmo, um dirigente deu a entender isso. Você se sente pressionado no Náutico?

- Não me vejo dessa forma. Embora tenha ouvido algumas coisas. Quando você trabalha com qualidade e consciência, seus atletas sabem que o trabalho deve ser bem feito, a tranquilidade deve existir. Sei que tenho minhas responsabilidades e o que tenho que fazer. Então, procuro não dar ouvidos a situações que só servem para desestabilizar o ambiente.

Algumas pessoas chegaram a afirmar que você só não saiu do Náutico por causa da multa contratual. Isso procede?

- De forma alguma. Isso não existe. Não posso impor a minha presença em nenhum lugar e dinheiro não pode ser colocado como fator principal para nossas vidas.

Waldemar além do momento delicado no clube, você vive um grave problema familiar. Como está sendo para você enfrentar isso tudo?

- Tento encarar as coisas com muita fé em Deus e esperança. Acredito que somos capazes de melhorar nas adversidades e que a felicidade é um estado de espírito. Então, tento colocar a vida para frente. Tenho esse problema (irmão com câncer) na minha família, mas busco na minha fé e na minha família as forças para superar isso. Temos que seguir e, mesmo com tudo isso, eu acordo feliz. Pois temos a dádiva de estarmos vivos. Levando às 4h e já penso o que tenho que fazer, sempre tento ir em frente.

Em suas entrevistas você sempre fala da sua ligação com sua família. Como você faz para acompanhar sua irmã, já que ela mora no Rio de Janeiro?

Toda semana eu fico duas noites sem dormir, porque viajo para o Rio após os trabalhos. Lá, eu posso ficar perto da minha família. Aí, volto durante a madrugada para não perder o treinamento do outro dia”
Waldemar

- Toda semana eu fico duas noites sem dormir, porque viajo para o Rio após os trabalhos. Lá, eu posso ficar perto da minha família. Aí, volto durante a madrugada para não perder o treinamento do outro dia. É bastante cansativo, mas tenho que fazer isso. Precisamos buscar muita força e esperança que temos em Deus e na nossa religião. É o que aprendi com a minha família. Fé e esperança, sempre.

Mesmo passando por graves problemas você tenta não transparecer isso. Por onde passa tenta cumprimentar todo mundo e não muda a forma de agir, como você consegue manter a serenidade?

- Acredito que temos que buscar ajudar as pessoas. Acredito que quando você tem a possibilidade de falar com alguém para ajudá-la não deve impedir que isso ocorra.

Má fase do time, problema na família, pressão de todo lado, você já pensou em pedir para se ‘licenciar’ do cargo?

- Não penso em me licenciar e nem quero. Tenho muita responsabilidade no Náutico. Eu gosto do Náutico, me sinto muito feliz aqui, mesmo não tendo minha esposa e meus netos comigo. É isso aqui que me ajuda a enfrentar meus problemas. É entrar aqui, doar o máximo de mim para ajudar esse clube. Tenho amizades aqui dentro, pessoas que me ajudam muito. Talvez seja no meu trabalho que consiga forças.

Foi esse carinho que te fez recusar algumas propostas de outros clubes, como a do Vitória-BA?

- Realmente já me consultaram com a possibilidade de sair, mas só sairei daqui caso o Náutico não me queira mais. Penso em fazer um trabalho onde se implante uma filosofia de jogo, que é algo que eu já falei no ano passado. Mas sabemos que futebol é resultado e, às vezes, isso não acontece. Então, algo que poderia ser muito bom pode não se tornar realidade. Enquanto as pessoas ficarem presas ao resultado e não a um planejamento, que pode levar um certo tempo para acontecer, isso tende a prejudicar e sempre quem sofre é o treinador.

Se quando o Náutico estava ganhando, a torcida chegou a criticar o time, o que esperar agora que o time não vive um bom momento?

- Vivemos um momento complicado no ano passado e quando a torcida veio para o nosso lado, nós conseguimos vencer os obstáculos. Então, eu gostaria que essa torcida viesse para o nosso lado novamente e que lotasse esse estádio e mostrasse aos jogadores que eles estão juntos conosco. Não podemos criar a cultura do pânico. Quantos jogadores passaram aqui e não prestaram? O que acontece é que o atleta não sente confiança para jogar aqui por conta da impaciência. Então, o melhor caminho é os torcedores terem a certeza que existe um trabalho para fortalecer o Náutico e que eles fazem parte disso.

Por: Globo Esporte
Foto: NauticoNET

8 respostas a ENTREVISTA

  1. Paulo Roberto Alves da Silva disse:

    JOSÉ MARCOS, PARABENS!!!!!!!!
    É ISSO AÍ.
    SE NÓS TIVESSEMOS TODOS OS ATLETAS FRACOS COMO DIZEM, TREINADOR LESMA COMO DIZEM DO COMEÇO DO CAMPEONATO. SERIAMOS CAMPEÕES ENVICTOS, MAIS A FATALIDADE NÃO DEIXOU. NINGUÉM VISOU ISSO.

  2. wilton Carvalho Jr disse:

    Mais que lenga lenga neste clube por causa da saída de um treinadorzinho de merda.
    Tudo neste lugar vira uma novela mexicana lacrimosa.

  3. gustavo disse:

    COM OS ATACANTE QUE TEMOS,BEG, DORIELTON, LEO, HENRIQUE, TIUI, RAMON NÃO TEM WALDERLEY LUXEMBURGO, FILIPÃO QUE FAÇA ESSES CARAS FAREM GOIS.

  4. Lucas Santos disse:

    UM BOM TÉCNICO SERIA HÉLIO DOS ANJOS, ELE TEM PULSO, EXPERIÊNCIA COM SÉRIA A E TAMBÉM DEMITIR JOGADORES QUE NÃO QUEREM JOGAR BOLA E CONTRATAR MEIA DÚZIA DE JOGADORES DE QUALIDADES QUE HOJE NO NAUTICO JA NÃO EXISTE E OUTRA COISA DIRETORIA PAREM DE COMER DINHEIRO E CONTRATEM JOGADORES DE SERIE A E NÃO ESSES PELADEIROS DE VARZEA FEITO ESSE BEGER E AUREMIR “CONTRATÉM”.

  5. Jose roberto farias mendes disse:

    OLHEM O QUE MANDARAM PRA MIM ERA UMA PARTE DO PROJETO DA OPOSIÇÃO E NÓS ERRAMOS E VOTAMOS NESSES FRACASSADOS.

    1. INTRODUÇÃO
    Os insucessos do Náutico nesses últimos dez anos nos obrigaram a lançar um candidato que tivesse um compromisso com nosso Clube Náutico. As más notícias divulgadas nos matutinos locais, pela TV e através da internet, infelizmente sempre tem uma diretoria ou um presidente do Clube envolvido.
    Após sua gestão fraudulenta Mauricio Cardoso foi severamente punido pelo conselho executivo e foi suspenso dois anos e obrigado a ressarcir aos cofres do Clube, em razão da má administração e desvios do dinheiro, segundo relatório do conselho fiscal e acatado pelo conselho do Clube, vinte mil reais (Vergonha), embora tenha o grupo da situação, e outros, procurado por todos os meios proteger Mauricio, inclusive renunciando aos seus cargos para poderem votar na sessão histórica do ano de 2010.
    Graças aos aguerridos 21 conselheiros da oposição a punição lhe foi imposta.
    Em 2010, perdemos um campeonato após estarmos com uma vantagem de 3×0, permitindo que o nosso ferrenho adversário diminuísse o placar e vencesse no seu campo por1x0, sem nenhuma reação dos nossos jogadores desmoralizados com a diminuição do placar no jogo dentro da nossa casa. O diretor de futebol e o presidente Berilo Junior, não incorporaram uma cultura de vencedor e mais uma vez entregou um penta ao adversário.
    A mudança do diretor de futebol, em 2011, pouco trouxe de positivo. Trouxe sim mais uma noticia ruim nos jornais locais e programas policiais, quando o candidato Toninho Monteiro, então diretor de futebol do também candidato Berilo júnior, acusou o pai de um dos nossos atletas de estar envolvido em uma tramoia para que o filho fizesse corpo mole nas partidas decisivas do campeonato, mais uma vez o coadjuvante foi o Sport.
    O espetáculo vergonhoso para o Clube, teve como palco um granfino restaurante em boa Viagem e como plateia os seus clientes.
    E o mais grave: não existiam provas, e de novo o nome do Clube foi envolvido em uma jogada muito mal imaginada e que segundo o ex–Técnico do Clube Roberto Fernandes, foi uma das causas da perda do campeonato do ano de 2011.
    Que vergonha, que desmandos, que falta de compostura, e o compromisso com o sucesso e o engrandecimento do alvirrubro de Pernambuco, como ficam?
    Diante de tudo que foi exposto, não caberia outra alternativa a não ser lançar um candidato em nome da moralidade, da modernização e do crescimento. Marcílio Souza, foi o escolhido pelos lideres do movimento já que conseguiu congregar inúmeros parceiros nesta luta pela moralização e a volta do Clube aos noticiários apenas esportivos, e como vencedor e moderno

  6. JOSÉ MARCOS DOS SANTOS disse:

    OLHA GENTE, EU SOU TORCEDOR DO NAUTICO A MAIS DE 40 ANOS EU NUNCA VI UMA TORCIDA TÃO INJUSTA FEITO A DO NAUTICO, NÃO PODE SE PENSAR ASSIM, NINGUÉM ERRA POR QUERER, O WLADEMAR LEMOS AGORA NÃO PRESTA, EU NÃO CONCORDO, SABE PORQUE? PROCURE VER O ANTES E DEPOIS DE 2011 E VEJA QUAL A SITUAÇÃO DO NAUTICO, TUDOP BEM, PERDEMO 03 PARTIDAS E DAI, ESTAMOS NAS SEMI FINAIS, DIFICILMENTE O PETROLINA CHEGA E ESTAMOS NA 1ª DIVISÃO, GRAÇAS AO TRABALHO INCANSAVEL DE WLADEMAR LEMOS, ELE TEM RAZÃO QUANDO FALA QUE PERDEU PEÇAS IMPORTANTISSIMAS COMO CASCATA, ROGERIO E FORA OS JOGADORES QUE NÃO ESTÃO PAGANDO O SALARIO QUE RECEBE COMO: DERLEY, ELICARLOS,EDUARDO RAMOS, SILOÉ, E OUTROS QUE NEM QUERO LEMBRAR O NOME, E PERDEMOS O MELHOR JOGADOR DO CAMPEONATO O SOUSA QUE VEIO DO FLUMINENSE.

  7. Bernardo Detran PE disse:

    ja vai tarde lesma….precisamos de um tecnico de atitude e de jogadores com tecnica e principalmente espirito de luta….

  8. Bernardo Detran PE disse:

    mto bla bla bla e pouco resultado, se dinheiro nao importa pq valdemar a pior nao entregou o cargo já que so tem no seu elenco jogadores na sua maioria pernas de pau. ele ultimamente esteva improvisando demais era notorio q queria sair, porem queira sair por cima, entao forçou a barra para q essa diretoria imcompetente o colocasse pra fora e ele sair endeusado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


9 − = 6

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>